quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Segue a crise nos mercados globalizados

A semana é marcada mais pela crise nos mercados financeiros do que pelos discursos do presidente Hugo Chávez ou pela cobertura das prévias nas eleições norte-americanas.
Destaco a matéria publicada no jornal Valor Econômico de hoje, bem ilustrativa das razões imperiosas do temor generalizado:



Merrill Lynch perde US$ 9,8 bilhões

no trimestre após registrar

baixa contábil de US$ 11,5 bilhões


SÃO PAULO - O banco Merrill Lynch perdeu US$ 9,83 bilhões no quarto trimestre de 2007. Um ano antes, a instituição teve lucro líquido de US$ 2,346 bilhões. Por ação, a perda foi de US$ 12,01 contra ganho de US$ 2,41. A reversão é explicada pelo impacto dos problemas no ambiente de crédito.
Houve uma baixa contábil de US$ 7,9 bilhões no terceiro trimestre e de US$ 11,5 bilhões nos três meses seguintes em hipotecas subprime (maior risco) e títulos. A receita trimestral foi negativa em US$ 8,192 bilhões.

No ano passado completo, o prejuízo líquido do Merrill Lynch equivaleu a US$ 7,777 bilhões, ou US$ 9,69 diluído por ação. Em 2006, tinha ganhado US$ 7,499 bilhões, ou US$ 7,59 por papel. As receitas líquidas somaram US$ 11,250 bilhões, com queda de 67% frente aos US$ 33,781 bilhões dos 12 meses antecedentes.

Na avaliação do executivo-chefe do banco, John A. Thain, o desempenho é "claramente inaceitável". "Nas últimas semanas, contudo, fortalecemos substancialmente a liquidez da empresa e o balanço", observou.

Na terça-feira, o Citigroup apresentou prejuízo de US$ 9,83 bilhões no quarto trimestre, o maior em 196 anos de sua história. Os investimentos em hipotecas subprime e títulos correlatos recuaram em valor em US$ 18 bilhões.

Fonte: Juliana Cardoso Valor Online - [os grifos na matéria são meus, a coisa não é pequena].

Nenhum comentário: