quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

PAC e BID : projetos para Setor Privados, Estados e Municípios

Matéria publicada hoje no jornal Valor Econômico indica possibilidade de aumento da participação do BID em financiamento de projetos de desenvolvimento (infra-estrutura, bens de capital) para o Setor Privado e além do Governo Federal, aos Estados e Municípios. Veja a matéria abaixo:



Com PAC, BID pode dobrar crédito ao Brasil

Francisco Góes, 27/02/2008

Leo Pinheiro/Valor


Luis Alberto Moreno, presidente do BID: "Queremos ver como é possível fazer uma parceria PAC-BID"

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) começa a preparar a estratégia a ser seguida pela instituição no Brasil entre 2008-2011. Pela primeira vez, o trabalho será liderado pela equipe do banco no país. Antes o planejamento era feito diretamente por Washington, onde está a sede do BID. O documento servirá de base para o plano operativo do banco nos próximos anos e terá como um dos eixos centrais o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A visita ao Brasil do presidente do BID, o colombiano Luis Alberto Moreno, marca o início da elaboração da nova estratégia banco-país da instituição. Moreno reúne-se hoje, em Brasília, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em audiência da qual também deve participar a ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil, coordenadora do PAC. "Queremos ver como é possível fazer uma parceria PAC-BID", disse Moreno ao Valor.

Sua agenda de trabalho em Brasília permitirá também fazer uma revisão das atividades do BID no Brasil, que é o maior cliente do banco como país, representando cerca de 25% da carteira de empréstimos da instituição. Individualmente, o maior cliente do BID é o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A carteira do BID no país é de US$ 12 bilhões, dos quais US$ 6 bilhões referem-se a projetos financiados pelo banco e que ainda estão em execução.

Os projetos típicos financiados pelo BID no Brasil incluem a área social, apoio a micro, pequenas e médias empresas, empréstimos a projetos privados de energia e assessorias técnicas e de crédito às três esferas de governo (federação, Estados e municípios). Para 2008, a perspectiva é que as aprovações do BID para o Brasil totalizem US$ 4 bilhões, mais do que o dobro de 2007. No ano passado, as aprovações do BID para o país somaram US$ 1,7 bilhão.

O aumento deve-se à perspectiva de contratações de operações para o setor privado e para municípios e Estados, além das áreas social e de infra-estrutura. O crescimento também pode ser explicado por um "carry over" entre US$ 700 milhões e US$ 800 milhões de projetos existentes que ficaram para serem aprovados este ano. "Em geral, as perspectivas do banco são muito boas e, com o Brasil, particularmente", afirmou Moreno.

Ele disse que a carteira de crédito do banco vem crescendo. Em 2005, o BID aprovou no total US$ 5,2 bilhões em operações de empréstimo, número que saltou para US$ 7 bilhões em 2007 e pode atingir US$ 10 bilhões este ano. O número é uma perspectiva relacionada aos projetos nos quais o banco trabalha para 2008, alguns dos quais podem ficar para 2009.

Moreno vê o futuro do BID mais orientado ao apoio do setor privado e de Estados e municípios. Segundo ele, a demanda dos clientes do BID tem sido muito boa neste início de ano, inclusive como resultado do trabalho que o banco vem fazendo de ter um "maior enfoque país", de estar presente com mais força nos escritórios de representação. O "foco país" é um dos principais objetivos do BID depois da reorganização do banco, implementada a partir de 2007 e chamada internamente de "realinhamento".
[...]

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

A carne brasileira x União Européia

Há uma semana que a RBS TV (aqui no Rio Grande do Sul) e uma significativa parte da imprensa brasileira está a martelar contra o Ministro da Agricultura por ter ele dito que a rastreabilidade da carne brasileira é falha.
Mas o que queriam que ele dissesse? Esperavam que ele mentisse? Que ele calasse sobre o assunto?

E a gente tem que assistir as bobagens do Lasier Martins na TVCom... babando a FARSUL...

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Fidel, 49 anos à frente do povo cubano



Foto AFP: Ernesto Che Guevara de la Serna e Fidel Castro, os grandes líderes da Revolução Cubana (janeiro de 1959)

Evidentemente que Cuba não é nem de perto um país dos sonhos socialistas e democráticos. Em muitos aspectos é uma democracia, mas em outros não. E por isso mesmo não é uma democracia. O básico do regime democrático é a pluralidade política, ideológica e partidária, algo que não existe num regime de partido único.

Pensando historicamente, Fidel, Che, Raul Castro e outros grandes cubanos libertaram a pequenina nação caribenha de uma vergonhosa ditadura (Fulgêncio Batista) e da submissão aos EUA. Como custo disso, veio o engessamento da Guerra Fria, o embargo econômico e um estado permanente de prontidão que praticamente inviabiliza um regima autenticamente democrático. Como um país pode respirar democracia com sua soberania diariamente ameaçada?

Talvez a nova conjuntura mundial possa favorecer um amplo leque de relações multilaterais à Cuba e desenvolvê-la e democratizá-la sem que perca as magníficas conquistas sociais que sua revolução construiu em áreas como a saúde e a educação (como bons exemplos para o mundo e para o Brasil em especial).


Todo gigante merece ter uma Cuba a lhe desafiar!

Boa notícia: Banda Larga nas Escolas

Notícia divulgada hoje pela Agência Brasil, publicada pelo jornal Valor Econômico:


BRASÍLIA - A internet banda larga será instalada nas 55 mil escolas públicas do país até 2010 e chegará a 22 mil estabelecimentos de ensino já neste ano. A promessa foi feita ontem pelo ministro Hélio Costa durante o seminário Políticas de (Tele) Comunicações - Convergência e Competição, na Universidade de Brasília (UnB)."A disponibilização de banda larga em todos os municípios brasileiros até 2010 é perfeitamente viável. Temos absoluta consciência das dificuldades, mas podemos fazer isso com apoio irrestrito do Presidente da República", afirmou.Costa ressaltou que as empresas de telefonia são aliadas do ministério no cumprimento da meta de universalizar o acesso à banda larga. E lembrou que estudos mostram que nos países em desenvolvimento a banda larga é tão importante quanto energia e água: "O progresso depende da comunicação, da maneira como vamos integrar essa ferramenta para todos, sem limitações. Não adianta só o rico ter banda larga de 1 mega - tem que chegar para todo mundo."(Agência Brasil)

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

A renúncia do presidente, não do comandante !


Sob forte repercussão mundial, Fidel Castro renunciou hoje à presidência de Cuba. Mas está claro (numa citação que fez a Oscar Niemeyer) que Fidel não abandonará, enquanto respirar) a condição de Comandante de uma Revolução que desafia há décadas o império norte-americano.

Mais análise e comentários amanhã.
Na fotografia: Fidel em 1959 se dirige aos apoiadores da revolução cubana no município de Santa Clara, quando se dirigia à Havana depois de derrubar o ditador Fulgêncio Batista, em janeiro (1959).

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

A Bandeira de um novo país - Kosovo


Entre as 993 propostas encaminhadas, a escolhida tem a ilustração do território de Kosovo (em amarelo) sobre um fundo azul coroado com 6 estrelas brancas.

Veja foto - fonte AFP, 17.02.2008.

Festa Popular em Pristina


Os albaneses kosovares comemoram com entusiasmo nas ruas de Pristina a Independência de Kosovo sob os protextos e a reação da Sérvia. Dia 17.fev.2008. Dia da Independência Kosovar.
Fonte: REUTERS, 17.02.2008

domingo, 17 de fevereiro de 2008

Nasce um novo país na Europa



O futuro dos Bálcãs

Nasce um novo Estado (país) Europeu

O primeiro ministro Thaçi afirma que Kosovo se declarará independente hoje
Milhares de pessoas tomam as ruas de Prístina para comemorar antes da hora da decisão

Matéria publicada em El País, em 17.02.2008
RAMÓN LOBO (ENVIADO ESPECIAL) - Pristina - 17/02/2008
Traduzido do espanhol por Julio Dorneles


Hoje (domingo,17.02.2008), a partir das três da tarde, nascerá um novo Estado (país): Kosovo. O fará com o apoio dos Estados Unidos e da União Européia, seus principais patrocinadores, e com a oposição total da Rússia e da Sérvia, que se sente injustamente amputada em um território que considera o lugar onde nasceu sua identidade nacional. Essa ferida não é imaginária nem distante, está presente em cada um dos 100 mil sérvios que ainda permanecem na até agora “província” e que vivem as horas que antecedem a independência com, sobretudo, medo.


Os 16 mil soldados da OTAN espalhados no território, algo da mão esquerda diplomática e toda sorte que faltou nas guerras balcânicas nos anos noventa, poderão evitar outro desastre e conseguir que o desmembramento da Iugoslávia acabe de uma vez em Kosovo, onde iniciou em 1989 com a anulação da autonomia, e não seja o início de outra rodada de sangue e morte.


“Em nome das instituições trago uma mensagem à família Jashari e ao mundo de que Kosovo está se tornando independente. Amanhã [hoje, domingo] é o dia em que se fará realidade a vontade dos cidadãos de Kosovo. Será uma jornada tranqüila e de entendimento”, assegurou ontem o primeiro ministro Kosovar, Hasim Thaçi. Disse isso na casa que pertenceu a Adem Jashari. Foi um gesto carregado de simbolismo numa terra onde os mortos e os mitos parecem guiar o destino dos vivos.


Jashari, um dos fundadores da guerrilha do Exército de Libertação de Kosovo (UÇK), foi assassinado pelas tropas sérvias junto a 56 membros de sua família (incluídos crianças, mulheres e um bebê de oito meses). [Isso] Ocorreu em Prekaz, em março de 1998, data que marca para os albaneses o início de uma guerra de libertação que agora se encerra com o nascimento de um novo Estado (país).


Antes que o plenário do Parlamento de Kosovo aprove a histórica declaração de independência, deverá adotar as leis necessárias para aplicar até a última vírgula o plano do enviado especial da ONU, o finlandês Marti Ahtisaari, sobre o que se atingiu o consenso interno na União Européia e nele se faz um finca-pé especial [se insiste enfaticamente] na proteção das minorias, sobretudo dos sérvios.


Nas ruas de Pristina [a capital Kosovar] se vive um ruidoso fervor patriótico, mais característico de torcedores de uma vitoriosa equipe de futebol que de cidadãos do que será em algumas horas o país mais jovem da Europa. Milhares de bandeiras albanesas – roxa com águia bicéfala negra, o estandarte de Skanderberg, o grande herói medieval albanês que enfrentou os turcos [otomanos] – decoram cada balcão. Alguns carros a tem pregado ao capô. Mas não é a única bandeira que se vê em Kosovo. Seguindo atrás à de Skanderberg, a mais popular é a dos Estados Unidos. Em um terceiro e distante lugar, a azul da Europa.


Um dos deveres do Parlamento, que se acumulam nos momentos históricos, será o de escolher uma bandeira estatal para diferenciar aos albaneses de Kosovo dos de Albânia, Macedônia ou Montenegro.
[...]

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

A dor albanesa


Foto em El País, Madrid, 15.02.2008

Nação albanesa

Uma herança da repressão feita pelo rigime do ex-dirigente sérvio, Slovodan Milosevic, à maioria albanesa de Kosovo (kosovares) está prestes a explodir em novos conflitos nos Balcãs.
O Parlamento de Kosovo deverá ploclamar a autonomia neste próximo domingo, mas a Sérvia (antiga aliada da Rússia de Putin) diz não tolerar esse caminho.
Dezenas de guerras ao longo da história envolveram o pacífico povo albanês. Milhões vivem na região de Kosovo, que chegou a integrar a antiga Iugoslávia do Marechal Tito nos longo anos da Guerra Fria. A pequenina Albânia não tem território e muito menos condições econômicas para receber milhares de refugiados (aliás mais "exporta"). Essas fraturas são muito mais profundas do que as repercussões da desintegração do antigo bloco socialista da Europa Oriental na década de 1980-1990.
A história se repete, muitas vezes como tragédia.

domingo, 10 de fevereiro de 2008

Chocolate: é de chocolate que o amor é feito


Para quem não pôde ver é bom saber que o Inter (Campeão de Dubai Cup, Mundial FIFA, Libertadores e Recopa) achocolatou o Brasil de Pelotas (vulgo Xavante) em inéditos 5 a 0 no Estádio Bento Freitas (Pelotas,RS, Brasil).

E poderia ter sido mais...
[na foto, ao lado, o zagueiro Marcão comemora um de seus dois gols na partida]

Domingo chuvoso, Amor (Elisa): pede o Maná

Abaixo a tradução de BENDITA TU LUZ de Maná
(precisa dizer mais...)


Bendita tua luz
tradução: Julio Dorneles

Bendito o lugar e o motivo de estar (nesse lugar) aqui
Bendita a coincidência
Bendito o relógio que nos pôs (na mesma hora) pontualmente aqui
Bendita seja tua presença
Bendito (seja) deus por (fazer com que nos encontrássemos)

encontrar-nos no caminho
E de tirar-me esta solidão de meu destino.

Bendita a luz
Bendita a luz de teu olhar
Bendita a luz
Bendita a luz de teu olhar... desde a alma.

Benditos olhos que me evitavam (se esquivavam)
simulavam desdém... que me ignoravam
E de repente sustentas o olhar

Bendito deus por encontra-nos no caminho
E de tirar-me esta solidão de meu destino

Bendita a luz
Bendita a luz de teu olhar
Bendita a luz
Bendita a luz de teu olhar

Oh glória divina desta sorte do bom instinto
E de encontrar-te justo aqui no meio do caminho
Glória ao céu por encontrar você agora (e) levar-te minha solidão
e coincidir em meu destino (em teu) mesmo destino

Bendita a luz
Bendita a luz de teu olhar
Bendita a luz
Bendita a luz de teu olhar

Bendito olhar, oh, oh, Bendito olhar desde a alma
Teu olhar, oh, oh, Bendito bendito bendito olhar
Bendita tua alma e bendita tua luz

Teu olhar, oh, oh

Oh, oh, te digo é tão bendita tua luz, amor, amor
E teu olhar, oh, oh
Bendito o relógio e bendito o lugar


Benditos teus beijos à beira do mar
E teu olhar, oh, oh
Amor, amor, que bendito é teu olhar
Teu olhar amor


sábado, 9 de fevereiro de 2008

Celso Amorim em viagem


ENTREVISTA: CELSO AMORIM Ministro de Exteriores de Brasil
[Entrevista com Celso Amorim, Ministro das Relações Exteriores do Brasil]

"Nuestra prioridad es jugar un gran papel en Suramérica"

FRANCISCO PEREGIL – El País - Madrid - 09/02/2008


Nossa prioridade é jogar um grande papel na América do Sul

Tradução: Julio Dorneles

Celso Amorim, ministro de Exteriores de Brasil desde 2003, ha pasado en Madrid cuatro días antes de partir ayer hacia una gira que le conducirá por Arabia Saudí, Siria y Jordania. Con España ha firmado un acuerdo sobre ciencia y tecnología. Con las naciones árabes espera estrechar unas relaciones que no vendrán mal para un país como Brasil donde habitan 10 millones de árabes y que aspira a ser miembro permanente del Consejo de Seguridad de la ONU.

Celso Amorim, ministro das Relações Exteriores do Brasil desde 2003, esteve em Madri por quatro dias antes de partir ontem para uma viagem que o conduzirá por Arábia Saudita, Síria e Jordânia. Com Espanha firmou um acordo sobre ciência e tecnologia. Com as nações árabes espera estreitar relações que não virão mal para um país como o Brasil onde vivem 10 milhões de árabes e que aspira a ser membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.

Amorim asume también que su país pretende ser un referente en Latinoamérica. Sin embargo, en un problema tan candente como el de las Fuerzas Revolucionarias Armadas de Colombia (FARC), Brasil no ha adoptado una posición tan clara como la del Gobierno venezolano, que preconiza la legitimidad diplomática para la guerrilla más antigua del continente ni tan contundente como la postura de Estados Unidos o la Unión Europea, para quienes las FARC son un grupo de terroristas.

Amorim assume também que seu país pretende ser uma referência na América Latina. Entretanto, em um problema tão candente como o das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o Brasil não adotou uma posição tão clara como a do Governo venezuelano, que preconiza a legitimidade diplomática para a guerrilha mais antiga do continente nem tão contundente como a postura dos Estados Unidos ou da União Européia, para quem as FARC são um grupo de terroristas.

"No creo que haya indefinición. Lo que ocurre es que no sentimos la necesidad de tener posiciones muy elocuentes. En muchos casos la diplomacia recomienda un poco de discreción. En varias cuestiones de Latinoamérica Brasil ha tenido un papel importante. Incluso en Venezuela, cuando hubo el referéndum revocatorio [contra el presidente Hugo Chávez] creamos el grupo de amigos. En Haití estamos presentes. Pero la cuestión es que Brasil no tiene la clasificación de organizaciones terroristas. La única organización terrorista que Brasil reconoce como tal es Al Qaeda y la hacemos acatando la determinación de Naciones Unidas. Cuando Brasil pueda actuar en favor del diálogo, lo hará. Eso implica ser activos, pero discretos. No practicamos la diplomacia de los micrófonos".

“Não creio que haja indefinição. O que ocorre é que não sentimos a necessidade de ter posições muito eloqüentes. Em muitos casos a diplomacia recomenda um pouco de discrição. Em várias questões da América Latina o Brasil teve um papel importante. Inclusive na Venezuela, quando houve o referendum revogatório [contra o presidente Hugo Chávez] criamos o grupo de amigos. No Haiti estamos presentes. Mas a questão é que o Brasil não tem a classificação de organizações terroristas. A única organização terrorista que o Brasil reconhece como tal é a Al Qaeda e a fizemos acatando a determinação das Nações Unidas. Quando o Brasil possa atuar em favor do diálogo, o fará. Isso implica ser ativos, porém discretos. Não praticamos a diplomacia dos microfones”.

En cuanto a las relaciones internacionales, Amorim no tiene ninguna duda de cómo debe expandirse Brasil. "Nuestra primera prioridad es Sudamérica. Y podemos desempeñar un gran papel. De hecho, nuestro principal socio comercial es Latinoamérica, que abarca un 26% o 27% de nuestro comercio; después la Unión Europea, con un 24%, y luego, Estados Unidos, con 15%. Pero lo mismo que nuestro comercio es diverso, nuestra manera de integrarnos en el mundo también debe serlo. Nuestro presidente tiene una gran capacidad de diálogo con todos los líderes, independientemente de las simpatías ideológicas. Tenemos una excelente relación con Cuba y con Estados Unidos. Pero también tenemos una dimensión global".

Quanto às relações internacionais, Amorim não tem nenhuma dúvida de como deve expandir-se o Brasil. “Nossa primeira prioridade é a América do Sul. E podemos desempenhar um grande papel. De fato, nosso principal sócio comercial é a América Latina, que abarca 26% ou 27% de nosso comércio; depois a União Européia, com 24%, e logo, os Estados Unidos, com 15%. Porém, do mesmo modo que nosso comércio é diverso, nossa maneira de integrar-nos no mundo também deve sê-lo. Nosso presidente tem uma grande capacidade de diálogo com todos os líderes, independentemente das simpatias ideológicas. Temos uma excelente relação com Cuba e com os Estados Unidos. Mas também temos uma dimensão global”.

El ministro de Exteriores brasileño se expresa en un español perfecto que aprendió de sus años de trabajo en la Organización de Estados Americanos. (OEA). Celso Amorim recuerda que Brasil es, con nueve centros, el país con más institutos Cervantes del mundo. Añade que se ha introducido el español como asignatura obligatoria en primaria y secundaria, que cada vez más los brasileños hablan mejor español y le gustaría que hubiese cierta reciprocidad en el esfuerzo. También recuerda que España es el segundo país que más dinero invierte en Brasil, después de Estados Unidos. "Ahora sólo falta que pongamos la relación política entre los dos países al mismo nivel que la económica".

O ministro de Relações Exteriores brasileiro se expressa em um espanhol perfeito que aprendeu em seus anos de trabalho na Organização dos Estados Americanos (OEA). Celso Amorim recorda que o Brasil é, com nove centros, o país com mais institutos Cervantes do mundo. Acrescenta que se introduziu o espanhol como matéria obrigatória no ensino fundamental e secundário, que cada vez mais os brasileiros falam melhor o espanhol e lhe daria muito gosto que houvesse certa reciprocidade neste esforço. Também recorda que a Espanha é o segundo país que mais dinheiro investe no Brasil, depois dos Estados Unidos. “Agora só falta que coloquemos a relação política entre os dois países ao mesmo nível que a econômica”.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Mais uma de Bento XVI



Já estamos acostumados com as bobagens teológicas do Papa Bento XVI (que aliás já eram comuns quando o então cardeal Ratzinger chefiava a Inquisição - Congregação do Sagrado Ofício da Fé), mas ele às vezes extrapola.
Hoje o papa Bento XVI assegurou que o inferno existe e, pior, não está vazio. Conforme divulgado em EL PAÍS e em outros jornais da Europa. Segundo Bento XVI, o Inferno é UM LUGAR REAL (físico) e não mental (como havia afirmado já falecido papa João Paulo II). Portanto cuidado, pois o CASTIGO ocorre num lugar concreto e não mental (imaginário, psíquico). A mensagem foi proferida pelo papa Bento XVI na abertura da Quaresma e realizada diante da audiência de sacerdotes (padres) romanos...

Ainda bem que sou luterano e, enfim, "O justo viverá somente pela fé" (Rm 1,17), salvo por graça (gratuidade divina) sem depender das obras...

Quem quizer dê uma olhada em: http://www.elpais.com/articulo/sociedad/Benedicto/XVI/infierno/existe/elpepusoc/20080208elpepusoc_1/Tes

A obra reproduzida aqui (em PB, acima) e em EL PAÍS é um detalhe de "O Juízo Final" (afresco) do genial Michelangelo pintada na parede do Altar da Capela Sistina (Vaticano-Roma), bem acima (em cores) há uma reprodução do todo da obra.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Lula promete "atenção redobrada" em 2008 para segurança, educação e saúde



CONGRESSO
06/02/2008 - 17h46


Em mensagem encaminhada nesta quarta-feira (6) ao Congresso Nacional e lida pelo 1º secretário do Congresso, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), na sessão solene de abertura da 2ª sessão legislativa da 53ª legislatura, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, prometeu "atenção redobrada" em 2008 para as áreas de segurança pública, educação e saúde. Lula também comemorou o "momento excepcional" da economia brasileira e listou o que considerou serem as principais realizações do seu governo.

Na mensagem presidencial, entregue pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, Lula lembra que o Brasil cresceu 5% no ano passado, com baixa inflação, e prevê que o resultado se repetirá em 2008, uma vez que os fundamentos econômicos "estão sólidos" e desfrutam de confiança interna e externa. O presidente ressalta que as reservas internacionais atingiram US$ 180 bilhões em dezembro de 2007 e a balança comercial fechou o ano com um superávit de US$ 40 bilhões.

Lula afirma ainda na mensagem que o emprego tem aumentado juntamente com o valor do salário. Em 2007, assinala, foram criados 1.617.392 empregos com carteira assinada e o desemprego tem diminuído de forma contínua. Além disso, acrescenta que a massa salarial cresceu 7% no ano passado, proporcionando reajustes acima da inflação em quase todas as negociações.

O presidente também destacou o papel dos programas sociais, especialmente o Bolsa Família, no ingresso de milhões de famílias no mercado de consumo, o que levou a Organização das Nações Unidas (ONU) a incluir o Brasil no grupo dos países com alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Lula disse ainda ter certeza de que em 2008 o país "começará a sentir de perto" os efeitos da implantação do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), traduzido num "verdadeiro canteiro de obras". Ele garantiu que, até 2010, R$ 504 bilhões serão investidos em rodovias, ferrovias, hidrovias, energia, portos e aeroportos, habitação, água potável e saneamento básico.

"Tenho que ressaltar que o governo está empenhado não somente em fazer mais, mas fazê-lo de forma mais racional, qualificada e barata, realizando uma gestão eficaz dos recursos públicos", afirmou.

Na área internacional, o presidente ressaltou o fortalecimento da integração sul-americana como objetivo prioritário da atuação da diplomacia brasileira e qualificou o Mercosul como o mais importante alicerce desse projeto. Além disso, Lula citou a intensificação das relações com os países africanos e asiáticos, o lançamento da Parceria Estratégica Brasil-União Européia nas áreas de meio ambiente, biocombustíveis e ciência e tecnologia e o Memorando de Entendimento sobre Biocombustíveis firmado com os Estados Unidos.

Para a área de segurança pública, Lula prometeu estreitar a colaboração com os estados e destinar, até 2010, mais de R$ 6 bilhões ao Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci). Em relação à saúde, ele lembrou que no ano passado foi lançado o chamado "PAC da saúde", destinando até 2010 mais de R$ 24 bilhões para o setor.

"Entre outras coisas, todas as crianças das escolas públicas passariam a ter consultas médicas regulares, inclusive com dentistas e oculistas. Infelizmente, esse processo foi truncado com a derrubada da CPMF, responsável em boa medida pelos investimentos na saúde. Mas tenho certeza de que o governo, o Congresso e a sociedade, juntos, encontrarão uma solução para o problema", observou.

Quanto à área de educação, o presidente disse que, além do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), foi criado o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), que tem prevista a aplicação de R$ 12 bilhões, até 2010, nos ensinos médio e fundamental. Também ressaltou a promessa de melhoria dos salários dos professores e de equipar as escolas. Lula também acrescentou que o governo está abrindo dez novas universidades públicas, 48 extensões universitárias no interior e 214 escolas técnicas.

Ricardo Icassati / Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)