quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Ação humana compromete a sustentabilidade do Rio dos Sinos



A ampliação da presença humana impactou o Rio dos Sinos, que poderá perder a sua capacidade de sustentação nos próximos 20 anos, comprometendo as condições de abastecimento de água para as gerações futuras.

A constatação é do ex-diretor executivo do Consórcio Pró-Sinos, Julio Dorneles, que na noite desta terça-feira, 31, ministrou a Aula Inaugural da Faculdades EST. A mesa diretiva do evento contou com a presença do reitor da instituição, Prof. Dr. Oneide Bobsin, do presidente do Conselho de Administração, Sr. Hilmar Kannenberg, e do pastor sinodal, Edson Streck.

Em sua fala, Julio explicou que o conceito de meio ambiente diz respeito à fauna e à flora, mas também à língua, aos costumes, à cultura, à paz e à violência, ou seja, a aspectos materiais e espirituais que circundam o contexto de cada indivíduo.

Ao enfocar o conceito de sustentabilidade, o palestrante alertou que se o padrão de vida norte-americano fosse tomado como modelo a ser atingido, “teríamos que procurar outro planeta igual à Terra, pois este nosso planeta não sustentaria tal padrão”.

Em 2006, ano em que foi criado o Pró-Sinos, a sustentabilidade do Rio dos Sinos foi abalada por um crime ambiental que vitimou aproximadamente 1 milhão de peixes. A partir deste incidente, explicou Dorneles, foi estabelecido um pacto entre 26 municípios que se comprometeram a executar em conjunto ações, projetos e programas de saneamento.

Entre os principais entraves para a manutenção do rio estão as lavouras de arroz estabelecidas nas margens, a ausência de mata ciliar, e os processos de erosão e acúmulo de detritos ao longo do leito. A partir da constatação destes problemas, pontuou Dorneles, o Pró-Sinos oferece programas de educação ambiental, usinas de reciclagem, assessoria técnica aos munícipios e planos de saneamento básico a fim de recuperar os efeitos de quatro décadas de degradação.

Entusiasmado pelo trabalho desenvolvido por Dorneles, ex-aluno da EST e atual Coordenador Geral da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (FAMURS), o reitor Bobsin enfatizou a necessidade urgente de “repensarmos o nosso modelo de vida, embalados também pelas discussões recentes em torno da Rio + 20”.

No encerramento da aula, o pastor sinodal Edson Streck, que ao lado de ministros e ministras do Sínodo do Rio dos Sinos participa de curso de extensão sobre Missão Urbana coordenado pelo professor da EST, Roberto Zwetsch, sublinhou que o fazer teológico exige conhecimentos sobre o meio ambiente. “Essa é uma temática inserida no currículo do nosso curso de extensão e que corresponde a um dos focos de ação do Sínodo”.

Com um total de 190 km de extensão em seu curso principal, a Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos abastece 1.7 milhão de pessoas, o que corresponde a 17% da população do estado do Rio Grande do Sul.

Jornalista responsável: Micael Vier Behs
 

Nenhum comentário: