sábado, 20 de junho de 2009

Quando a Fórmula 1 era feita de ases

Na foto acima: a Lotus 25 (1962) de Jim Clark

Já foi o tempo em que a Fórmula 1 era programa imperdível. Salvo alguns poucos esforços recentes para recuperá-la e algumas excessões de pilotos é totalmente inviabilizada pela narração do Galvão Insuportável Bueno (pede-pra-saír-pelo-amor-de-deus!!).
Pra dar uma baita saudade:



"A temporada de 1992, inicia com Mansell favorito ao campeonato, que tinha um carro muito superior ao resto. O aperfeiçoamento feito à suspensão ativa, junto ao potente motor da Renault, a Williams conseguiu fazer do FW14B um carro "imbatível". Mansell dominou a temporada literalmente, fazendo 9 vitórias, 14 poles e 8 voltas mais rápidas, ganhando seu primeiro, e único campeonato com o 2º lugar na Hungria e cinco corridas para o término do campeonato, além de 52 pontos de diferença para o vice-campeão, e seu companheiro de equipe Riccardo Patrese. Aos 39 anos e com o título conquistado, Mansell anuncia sua aposentadoria da Fórmula 1 (que acabou sendo provisória)." Fonte: wikipédia.





O piloto brilhante desde a Lótus 91, Nigel Mansell, campeão mundial de 1992 pela Williams.



Niki Lauda (tricampeão mundial, 1975-1977-1984) e Alain Prost (o "calculista" e mestre na pilotagem de fórmula 1, quatro vezes campeão: 1985, 1986, 1989, 1993).




"Andreas Nikolaus Lauda, mais conhecido como Niki Lauda, (Viena, 22 de Fevereiro 1949) é um ex-piloto de automóveis austríaco. Participou do Campeonato Mundial de Fórmula 1 entre 1971 e 1979, e entre 1982 e 1985, disputando 177 Grandes Prêmios, obtendo 25 vitórias, 24 pole positions e 24 melhores voltas, totalizando 419.5 pontos. Sagrou-se campeão mundial em 1975, 1977 e 1984. Pilotou para as equipes March, BRM, Ferrari, Brabham e McLaren." Fonte: Wikipédia.



"Posso ser tachado de herético, mas sempre suspeitei que Alain de fato tivesse uma habilidade maior. Digo isso lembrando que Ayrton ia mais ao limite do que Alain. Mas Alain nunca explorou o extremo tão consistentemente ou de maneira bem sucedida como Ayrton. Alain corria riscos calculados. Ayrton certamente examinava e então guiava, direto ao limite. Ayrton era todo coragem e pilotagem no carro. Apesar das muitas diferenças, eles também tinham semelhanças. Os dois eram pilotos muito cerebrais, grandes "pensadores". Mas as manifestações deste controle mental eram diferentes." Frank Williams sobre Prost e sua rivalidade com Ayrton Senna. Fonte: Wikipédia.




Nelson Piquet, tricampeão mundial: 1981,1983 e 1987. Quando pra ser campeão tinha que ter "braço".
Foi piloto das equipes: Ensign, McLaren, Brabham, Williams, Lotus, Benetton.
Ser campeão com uma Brabham não era pra qualquer um mesmo!!



Na foto abaixo a LOTUS 79 do inesquecível Mario Andretti (campeão de 1978:



Keke Rosberg (abaixo), o "finlandês voador", campeão mundial de 1982:







Acima, o eterno Jim Clark, campeão de 1963 e 1965 pela Lotus.
"Em sua carreira de Fórmula 1, Clark venceu 25 corridas e conseguiu 33 pole positions. Clark diferiu da atual geração de pilotos de Fórmula 1 devido a sua habilidade de guiar e vencer em todos os tipos de carro. Sua performance no Lotus Cortina em stock cars foi excelente, ele correu na Nascar americana (para a equipe Holman e Moody), lutando com os desajeitados carros esportivos da Lotus, incluindo os tipo 30 e 40 e dirigindo os carros Lotus da Indy em corridas de subida a montanha na Suíça.A Participação de Clark nessas provas suiças, que eram competições reais, foi apenas para exibição, mas dirigir um formula indy em uma "pista" totalmente inadequada e com desempenho convicente não é pouca coisa. Clark sobressaiu em uma época quando pilotar de forma absolutamente genial era mais importante que contratos comerciais e proteção ao piloto. Piloto rápido, mas ao mesmo tempo frio, sabia quando acelerar. Estrategista brilhante, se adaptava a situações adversas. Errava muito pouco, bem como sabia poupar o equipamento, que aliás gastava geralmente menos do que outros pilotos com o mesmo carro no mesmo ritmo. Ao contrário do que muitos dizem hoje, foi um brilhante acertador de carros." Fonte: Wikipédia.


E, ele, Ayrton Senna da Silva, tricampeão: 1988,1990,1991, seguramente um dos maiores pilotos da história do automobilismo mundial. Morreu no autódromo Enzo e Dino Ferrari de Ímola (Bolonha/Itália, Grande Prêmio de San Marino de 1994, dia 1º de maio). Com Nelson Piquet e Alain Prost, sem dúvida, está entre os maiores pilcotos da história da Fórmula 1. Ayrton pilotou pelas equipes: Toleman, Lotus, McLaren, Williams.




Nenhum comentário: