quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

PRÓ-SINOS inicia formatação de projeto para monitoramento do Sinos

Projeto buscará também o reforço das estruturas de fiscalização

O Consórcio Público de Saneamento Básico da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos - Pró-Sinos reuniu nesta última sexta-feira, dia 19 de novembro, representantes de entidades e técnicos das áreas ambiental e de saneamento básico da região, junto com representantes dos órgãos de fiscalização ambiental, defesa civil, proteção contra cheias/estiagens e das polícias civil e militar.
De acordo com o diretor-executivo do Pró-Sinos, Julio Dorneles, a mobilização do Pró-Sinos promoveu a constituição de um Grupo de Trabalho (GT) com vistas à formulação de um amplo projeto de monitoramento da Bacia do Rio dos Sinos e de reforço dos órgãos de fiscalização ambiental. "O projeto a ser formatado em 30 dias será encaminhado pelo presidente do Pró-Sinos e prefeito de São Leopoldo, Ary Vanazzi, ao Governo Federal e ao Governo do Estado a fim de obter aprovação e liberação de recursos para implantar as ações previstas de monitoramento e de reforço da fiscalização na Bacia do Rio dos Sinos", explicou.

Julio Dorneles alerta para os recentes eventos ocorridos na Bacia do Sinos e para a tendência de agravamento das condições de abastecimento para a população, em especial, nas Terras Baixas. "Confirmando-se a previsão de estiagem até abril de 2011, as condições ambientais se farão mais precárias, havendo necessidade de uso racional da água", destacou. Além de ressaltar que a região do Vale do Rio dos Sinos também deve sofrer com as queimadas nas áreas marginais às rodovias e mesmo em áreas urbanas, em razão da queima motivada ou espontânea de vegetação seca e/ou resíduos (lixo) depositados de modo irregular ou inadequado. "Nesse sentido, recomenda-se maior rigor na fiscalização do uso da água e da disposição irregular de resíduos sólidos e resíduos de podas", enfatizou Julio Dorneles.

Outra grande preocupação do Pró-Sinos se dá com o aumento da demanda por água pelo setor produtor de arroz, pois a irrigação da cultura do arroz consome 61% do consumo total de água retirada do Sinos nesse período que vai até março. Destaca-se que na divisão da Bacia do Sinos em 21 setores, a irrigação é a maior demandante por água em 13 setores, sendo outros 6 liderados pelo abastecimento humano e 2 pelo consumo animal, sendo que o setor industrial, em nenhum caso aparece como maior demandante (conforme relatório técnico do Plano Sinos - Plano de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos - Convênio nº 40 entre o FNMA - Ministério do Meio Ambiente - e o Pró-Sinos). O presidente do Pró-Sinos, prefeito Ary Vanazzi, cobrou com veemência ações do Governo do Estado, da FEPAM e do Comitesinos que sejam tomadas as medidas necessárias a fim de assegurar-se o abastecimento de água à população da Bacia do Sinos, em especial, das Terras Baixas, a que mais deverá ser atingida por problemas de abastecimento.

As Terras Baixas correspondem ao curso inferior, curso final do Rio dos Sinos e compreende os seguintes municípios: Cachoeirinha, Canoas, Esteio, Glorinha, Nova Santa Rita, Novo Hamburgo, Sapucaia do Sul e São Leopoldo.

Nenhum comentário: