sexta-feira, 1 de maio de 2009

PAISAGEM DE CHUVA - Fernando Pessoa


Em cada pingo de chuva a minha vida falhada chora na natureza. Há qualquer coisa do meu desassossego no gota a gota, na bátega a bátega com que a tristeza do dia se destorna inutilmente sobre a terra.


Chove tanto, tanto. A minha alma é húmida de ouví-lo. Tanto... A minha carne é líquida e aquosa em torno à minha sensação dela.


Um frio desassossegado põe mãos gélidas em torno ao meu pobre coração. As horas cinzentas ... Alongam-se, emplaniciam-se no tempo; os momentos arrastam-se.


Como chove!



Fernando Pessoa, trecho do Livro do Desassossego.

Nenhum comentário: